terça-feira, 22 de setembro de 2015

A História de Azeroth (Pate X): A Guerra dos Três Martelos

Na cidade-fortaleza de Ironforge, os anões viveram em paz durante muitos séculos, em patê graças ao reinado justo e austero do rei. Modimus Anvilmar. Na época, os anões já eram divididos em três Grandes Clãs; o Clã Bronzebeard, defensores de Ironforge, conduzidos pelo Thane Madoran Bronzebeard; o Clã Wildhammer, conduzido pelo Thane Khardos Wildhammer, que habitava a base da montanha e que desejava mais poder dentro da cidade; e o Clã Dark Iron, conduzido pelo Thane feiticeiro Thaurissan. Os anões do clã de Dark Iron habitavam as sombras abaixo das montanhas, e conspiravam contra os outros dois clãs.

Quando o grande rei Anvilmar morreu de velhice, as disputas para o poder explodiram e a guerra civil anã assolou Ironforge durante muito tempo. Os Bronzebeards expulsaram o Wildhammers e os Dark Iron para fora da montanha. O clã dos Wildhammers viajou para o norte, onde construíram seu próprio reino nas montanhas de Grim Batol, onde prosperaram e reconstituíram seus tesouros. O clã Dark Iron não teve a mesma sorte e, humilhado, jurou vingança contra Ironforge. Os anões de Dark Iron viajaram para o sul, onde fundaram a cidade de Thaurissan, batizada tal qual seu líder, debaixo das Montanhas de Redridge.


O passar dos anos não extinguiu a raiva do clã de Dark Iron, e Thaurissan ansiava por tomar todas as terras de Khaz Modan só para seu clã, assaltando tanto Ironforge quanto Grim Batol. O clã Dark Iron quase conseguiu seu objetivo. Mas Madoran Bronzebeard conseguiu uma importante vitória sobre os anões de Thaurissan, e estes precisaram recuar e retornar à sua cidade. Mais ao norte, Modgud, feiticeira e esposa de Thaurissan, investiu com força contra os Wildhammer de Grim Batol, mas Khardros conseguiu matar a rainha dos Dark Iron. Com a rainha morta, os exércitos restantes de Dark Iron tentaram escapar, mas se viram presos entre os guerreiros de Wildhammer e os de Ironforge, que haviam decidido ajudar os defensores de Grim Batol. Os dois exércitos então rumaram para o sul, intentos em acabar com Thaurissan e os Dark Iron. Foi então que Thaurissan invocou um ser sobrenatural cujo poder estava além da sua imaginação.

Ragnaros
Ragnaros, o Senhor do Fogo, um dos deuses elementais, estava preso por causa dos Titãs, mas foi libertado graças a Thaurissan. O renascimento do poderoso Elemental banido abalou as Montanhas de Redridge, criando um imenso vulcão ativo que futuramente seria batizado como Blackrock Spire. Pouco após terminar a invocação, Thaurissan foi morto pelo próprio deus elemental que tentou usar para destruir seus inimigos.

Ragnaros e seus elementais escravizaram os anões de Dark Iron que restaram. Temendo o poder de Ragnaros, os exércitos de Ironforge e Grim Batol voltaram para seus reinos. Quando os Wildhammer chegaram a Grim Batol, descobriram que a morte da feiticeira Mogdud havia liberado uma poderosa maldição que tornou seu reino inabitável. Frente a esta situação, os Bronzebeard ofereceram aos Wildhammer um lugar nos limites de Ironforge, mas os Wildhammer recusaram. Khardros e seu povo viajaram para Lordaeron, para a floresta de Hinterlands e lá fundaram Aerie Peak, onde entraram mais em contato com a natureza e fizeram amizade com os grifos que habitavam a área.

Ambos os reinos mantiveram relações comerciais e prosperaram. Quando Khardros Wildhammer e Madoran Bronzebeard morreram, foram erguidas duas estátuas das figuras deles na fronteira com as terras governadas por Ragnaros, como advertência do preço que os Dark Iron pagaram pelos seus crimes.

Nota: A Guerra dos Três Martelos ocorreu cerca de 230 anos antes dos eventos narrados em Warcraft I.

Nenhum comentário:

Postar um comentário